Rss Feed Tweeter button Facebook button

Há um ano e quatro meses, recebemos a notícia de que uma de minhas irmãs havia adquirido insuficiência renal. Essa notícia caiu como uma bomba em nossa família, que estava em meio a uma crise. De um lado, meu pai, em estágio terminal. Do outro, nossa sobrinha recém nascida, internada. Como dar a notícia para a minha mãe, que vinha perdendo o marido dia após dia? Como ser forte diante do novo? A cabeça girava, os pensamentos desconexos, e a tentativa de manter a calma, pois estávamos no carro, levando minha cunhada para ficar com a filhinha recém nascida. Após ela descer, o choro veio caudaloso. Enquanto os olhos assustados do marido e da filha mais velha, me fitavam. Não precisei falar do que se tratava. A menina, que havia feito estágio na ala da hemodiálise, havia entendido o que acontecera. E foi ela, quem me acalmou e nos deu as primeiras informações sobre a nova condição da tia. Foi ela quem me secou as lágrimas, enquanto acabava de desistir de uma visita técnica que faria, em um grande buffet em Cuiabá. Dali, pegamos estrada e rumamos para a casa da mamãe, para ver o modo menos traumático de avisar a família e os meus pais. Passei dois dias pesando em como falar, sem assustá-los, pois eu mesma estava apavorada. Meus pais chegaram do Paraná, para aquela que seria a última visita do meu pai, ao seu Lar. Falei, em linguagem simples e carinhosa, o que estava acontecendo. A reação da minha mãe foi de muita tristeza e medo. 2014 veio, perdi meu pai. Cunhado e sobrinho, fizeram exames para checar a compatibilidade. Deram negativos. Enquanto isso, eu e minha família nos preparávamos para que eu fosse a próxima. Passei o ano me cuidando, cheguei ao Brasil em agosto, cheia de esperança. Fiz meu ‘check up’ e os exames deram resultados maravilhosos. No dia 09 de setembro, fiz minha primeira entrevista com a psicóloga, enfermeira e médico. Munida dos bons resultados dos exames de saúde, tivemos nossa primeira vitória. Nesse mesmo dia, o médico pediu o exame de prova cruzada (crossmatch). Choro e sorrisos se misturavam. E veio a recomendação que eu já esperava. Você terá que perder 8 quilos. Voltei para casa e junto com as meninas, mudamos minha rotina. Elas ficaram responsáveis pela alimentação e eu, corri atrás, literalmente. Caminhadas, bike, zumba, aulas de alongamento. Novos exames, dessa vez de saúde. Excelentes resultados. Me levantava todos os dias às 05:00 e pedia: Senhor, permita que dê certo! Tire-o de mim, e coloque nela! Orações, boas energias vinham de todos os lugares. Em Minas, começa a Novena pedindo para a Irmã Wilson intervir. No dia que esta terminou, veio a notícia: Somos compatíveis! Dizia minha irmã do outro lado da linha. Lágrimas de cá e de lá. Coração saindo pela boca. Aumentei ainda mais a carga de exercícios, meu peso baixando. Alimentação caprichada, precisava perder peso, não a saúde. Marcaram a angiotomografia, para observar a qualidade dos meus rins, tomei rumo para Minas, definitivamente. Na última consulta, com dez quilos a menos, recebi o sorriso satisfeito do médico. Data definida, 27 de novembro. Mãe e marido, chegaram. Logo em seguida, a filha mais velha. Dia 25, minha irmã foi internada para começar a tomar os imunossupressores. Dia 26, foi minha vez. Enfim, havia chegado a hora. Até então, mesmo com toda a adrenalina, em nenhum momento, titubeei. Mas no dia do transplante. Quando a maca a buscou, depois, a mim…o coração acelerou, o medo enfim, chegou. Entrei no centro cirúrgico orando para que tudo desse certo. Que Deus nos permita essa Graça, que os médicos acordem inspirados! A equipe da ala de transplante passava e me cumprimentava. Me desejavam boa sorte, outros diziam o quanto eu estava sendo corajosa. Pouco a pouco, o coração desacelerou. Dei entrada na sala de cirurgia, sabendo que minha mana, estava na sala ao lado. Deus, tire de mim envolto em suas mãos e coloque nela! Eu suplicava. Que tudo dê certo! Deus…dormi. Acordei horas depois, sendo observada. Sentia um pouco de dor e a voz não saia. Quando tudo melhorou, me levaram para o quarto. Lembro do lençol sendo suspenso com o meu corpo sobre ele. Pego com dificuldade o celular, e mando ainda grogue, uma mensagem de voz para o marido. Durmo sorrindo, acordo sorrindo. Uma invasão de felicidade. Lembro dos olhos assustados do marido, dos sobrinhos e da filha a me fitar. Não consigo lembrar de minha mãe e do meu cunhado. Sinto o sorriso na face. Volto maravilhosamente bem da anestesia. Minha mana também, sequer foi para o CTI. No segundo dia, náuseas tomam conta de mim. Do outro quarto, vem as novidades. Sua irmã fez 3,6 L de xixi durante a noite, as taxas da sua irmã estão melhorando. Sua irmã foi tomar banho, sua irmã fez 1,8 L de xixi durante a manhã. As taxas da sua irmã estão normais. Sua irmã está se alimentando bem. E entre náuseas, dores e sorrisos, passei três dias internada. No sábado, é chegado a hora de receber alta. A viagem de pouco mais de 100 Km até a casa da minha irmã, foi um suplício. Fui cuidada pela minha mãe e filha, pois chegou a hora do marido ir embora. Cheio de medos, mas confiante na minha palavra de que eu estava e ficaria bem, ele voltou para o trabalho. Passei um mês por lá. Voltamos para casa com a certeza da vitória. Ainda precisarei de mais alguns meses para me recuperar plenamente, mas observar minha irmã renascer, valeu todo o esforço. A família está em festa, nossos corações estão em festa. 2014 foi um ano que começou com perdas e terminou com um milagre. O milagre da solidariedade e da vida. O milagre da inteligência humana, da evolução da medicina. 2015 promete, enfim, estamos em Paz, prontos para gozar da vida. Na quarta, volto para o Congo, após quatro meses fora. Vou voltar para o meu amor. Comemoraremos juntos das filhas, nosso aniversário de casamento, meu aniversário, Natal, Ano Novo e tudo mais que vier. Somos fortes, porque somos Um. Um viva a Vida! Que Deus abençoe a todos aqueles que oraram, que nos enviaram boas vibrações, que torceram. Um viva ao milagre que é Viver!

Feliz Natal e que 2015 seja um ano milagroso para tantas outras famílias que passam por problemas semelhantes.

Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão!

Eis que eu vos dou um novo Mandamento:
“Amai-vos uns aos outros como Eu vos tenho amado”

Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão!

Vós sereis os meus amigos se seguirdes meu preceito:
“Amai-vos uns aos outros como Eu vos tenho amado”

Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão!

Permanecei em meu amor e segue meu mandamento:
“Amai-vos uns aos outros como Eu vos tenho amado”

Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão!

E chegando a minha Páscoa, vos amei até o fim:
“Amai-vos uns aos outros como Eu vos tenho amado”

Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão!

Nisto todos saberão que vós sois os meus discípulos:
“Amai-vos uns aos outros como Eu vos tenho amado”


 

Olá, pessoal. Ando sumida do blog, pois estamos em um momento muito especial para a minha família. Estou me preparando para doar um rim, isso inclui preparação física (perda de peso) e emocional…que demanda tempo, dedicação e dinheiro, é claro. Tenho caminhado bastante na areia, andado de bike…comecei a fazer Zumba e drenagem linfática. Muitos exames, expectativas e um coração transbordando de amor. Dia 14 passarei por uma angiotomografia e creio que até ali pelo dia 25 do próximo mês estará tudo ok. Impressionante como não sabemos de nada, até alguém da família passar por esse problema. Não sabia da quantidade de órgãos que é possível doar em vida: rim, medula óssea. Fígado, pulmão (partes destes órgãos)…enfim, um universo novo e muito instigante. É incrível o trabalho desses profissionais. Mas o mais importante é o diálogo entre os familiares, que Deus nos livre de todas as perdas (especialmente as prematuras), mas caso aconteça, devemos estar prontos para autorizar a doação. Isso diminuiria em muito as filas que se multiplicam pela espera por um órgão. Fica a dica: conversem com sua família, seus amigos e que paremos de enterrar verdadeiros tesouros todos os dias.

Atualização: O transplante será no dia 27 de novembro. Minha mana será internada na terça, e eu, na quarta. Que Deus nos abençoe nessa empreitada. Que ela se recupere logo e possa desfrutar de uma vida saudável ao lado da família que a AMA.

Beijos grande! Assim que der, volto aqui!

rim


Chegamos ao Brasil há quase sete semanas…recebemos nossas irmãs e família, e minha mãe. Passeamos, fizemos nosso check up anual, organizamos uma série de coisas aqui no ES e na BA, checamos a obra. Depois, a casa foi esvaziando, um a um indo embora. Por fim embarcamos a menina mais velha para o Peru e depois a mamãe para o MT. Dias corridos e bem vividos. Pouco antes do marido voltar para o Congo, demos uma fugidinha rápida para a Serra Capixaba. Viagem esta, organizada com meses de antecedência para comemorar nossas Bodas, porque não temos certeza se estaremos juntos em dezembro, mês em que a comemoraremos. Escolhemos a dedo nosso ninho de amor para esses dias. O Hotel Rabo do Lagarto. Os restaurantes que queríamos fazer nossas refeições: Don Lorenzoni, Restaurante Alecrim e Bristrô Chez Lagarto e os passeios: cavalgado na Fjordland e Parque Estadual da Pedra Azul.

19Chegamos na região logo cedo, já com a cavalgada marcada. Optamos por fazer a “Trilha longa Lagarto”, passeio que dura aproximadamente 01h40min. (“As trilhas percorrem áreas de beleza inigualável, como o Mirante do Lagarto, que fica a 1200m de altitude em relação ao nível do mar, aos pés da Pedra Azul.” Fjordland). Os cavalos noruegueses são da raça Fjord, muito dóceis. Estávamos em três casais e dois guias.

18Deus foi muito generoso, assim que descemos a névoa tomou conta. Se tivéssemos subido uma hora depois, não teríamos visibilidade.

17Marido mais feliz do que pinto no lixo… Super recomendamos!!!

27Depois da cavalgada, cansados e com o bumbum doendo, fomos almoçar. Escolhemos o Restaurante Alecrim, instalado em uma simpática casinha colonial pintada com cores vibrantes o restaurante é especializado em cozinha artesanal. O folhado de pupunha com haddock é delicioso! Barriga cheia, pé na areia. Fomos fazer o nosso check in no Hotel, fomos recebidos com infusão de flores e delicados biscoitos.

 

32Check in feito, fomos para nosso Loft suíte Amadeus…maravilhooooooso! Tomamos um relaxante banho de banheira e fomos descansar. Jantamos no Bistrô Chez Lagarto no próprio Hotel.

 

29O domingo amanheceu ensolarado, do jeito que queríamos. Fomos para o Bistrô tomar nosso café, digno dos deuses. Um capricho só. Cheio de ‘surpresinhas’ cuidadosamente preparadas.

 

31Depois de nos fartarmos com o café da manhã, fomos fazer fotos e almoçar no Don Lorenzoni cozinha ítalo brasileira.

La vita é troppo breve. Vieni al Don Lorenzoni Due per mangiare bene” (Don Lorenzoni Due)

23Logo depois do almoço, fomos para o Parque Estadual da Pedra Azul. Subimos até as piscinas naturais.

1Fizemos inúmeras fotos. Encantador!

3:-D

 

6Desejamos voltar para levar as crianças.

 

21Para chegar até as piscinas, é necessário fazer uma pequena escalada com inclinação de 45 graus.

8A água estava gelaaaaaaada.

 

9Aproveitamos para brincar um pouco, para nos aquecer.

4Na descida, pausa pra fazer algumas fotos no mirante. Os guias são ótimos, esse passeio deve ser agendado com antecedência.

15Eu tenho um hábito, olhar pela cortina como está o dia logo que eu levanto. Na segunda, não foi diferente. Quando entreabri a cortina e vi o sol nascendo por trás da Pedra, acordei o marido para fotografarmos. Estava mágico!

16Fizemos um monte de fotos, tomamos nosso banho, fomos tomar nosso café da manhã, fizemos nosso check out e fomos passear pela região em busca de produtos artesanais, antes de voltamos para Vila Velha. De lá trouxemos palmitos de pupunha, jussara e geiroba. Socol, joelho de porco defumado, antipastos, café Jacu e outras delícias da terra. Foi muito bom, tivemos tempo para namorar, conversar, comer, fotografar, para podermos aguentar os meses longe. Marido está no Congo, e eu no Brasil, me dividindo entre ES MG BA e MT…essa é a minha vida. que Deus nos abençoe sempre.


Parabéns à ganhadora! Aguardo o endereço para eu colocar no Correio! Beijos ;-)


avião…Outra veeeeeezz…(Lulu Santos)

Amanhã, embarcaremos para a África do Sul e depois para o Brasil. Chegaremos a tempo do maridão comemorar o dia dos Pais ao lado das meninas :-D domingo também será o dia do sorteio, portanto, corra que ainda da tempo. Clique AQUI e deixe seu comentário. Inté ;-)

Update: Estou com a casa cheia, não poderei fazer o sorteio por enquanto, portanto o farei em setembro. Continuem comentando ;-)


 

Há pouco mais de um mês, a Chitara nos pregou um susto. Desmaiou, por duas vezes, ao ver a menina caçula chegar em casa. Em pleno final de semestre na faculdade, copa do Mundo e sozinha…imagine nossa agonia, aqui, do outro lado do Atlântico. A menina agiu rápido, com a ajuda do namorado…entraram em ação as veterinárias, Mônica e Myrna. Foram muitas idas e vindas, até que a menina mais velha, que estava na África do Sul estudando, chegou para dar uma força. O que nos deixou um pouco mais tranquilos. Contamos com a solidariedade de amigos e pessoas que não conhecemos. Solidariedade real e virtual…não temos como retribuir tamanho carinho, somente agradecer.

foto (12)Fazendo os primeiros exames.

foto (8)Resultados pavorosos.

foto (18)Voltando para casa, tristinha.

foto (5)Fazendo a primeira transfusão…infelizmente, ela não respondeu bem…e os resultados do exame, ficaram ainda piores.

 

duqueDuque, o primeiro doador. Obrigada Adriana e Giovani.

foto (7)O carinho e boas vibrações, chegavam de todos os lugares. De Minas…

foto (6)…à Ucrânia.

foto (17)Durante os jogos, recebeu atenção especial, para não sofrer ainda mais com os fogos. :-(

foto (3)A Fumiga, inimiga declarada da Chitara, também se solidarizou e asteou a bandeira branca. Tregua nas brigas e rosnados. Estão dormindo juntas, ultimamente ;-)

foto (9)O menu também tem sido especial, desde a chegada da chef em casa…muito coração e beterraba.

foto (1)Franguinho com banana.

foto (15)E nada faz essa menina animar :-(

foto (16)Novos exames, medo de ser algo mais grave, nova transfusão.

foto (4)Dessa vez entrou em ação, o Mike.

foto (14)Que apesar de ser um querido, teve que ser sedado para doar o sangue.

foto (13)O que será que passa pela cabecinha dela? Tem se comportado como uma lady, durante todo o tratamento. Obediente e comportada, como sempre.

 

foto (11)As maninhas humanas, enchem ela de carinho, para ver se ela anima.

foto (10)Já cansada, desce para ganhar colo e terminar a transfusão.

foto (20)E depois, volta para casa, exausta.

fotoOntem, refez os exames. Finalmente o quadro começa a melhorar. Ganhou até caminha nova, porque ela não pode pegar ‘friagem’ de modo algum. As meninas, seguem se desdobrando…cheguei a pensar que não a veríamos, pois ainda falta pouco mais de duas semanas, para chegarmos em casa. Agora, brotou uma nova esperança de cura. Seguimos rezando! Chitara, como já contei aqui, foi adotada. Sempre recebeu muito carinho nesses dez anos, já fugiu e ficou desaparecida por meses, foi reencontrada pelo filho do meio…morou em Minas e agora está no ES. Já viajou um monte conosco. Alegra a casa, com seu jeito desengonçado. Gastamos uma quantia significativa, até aqui, em exames, consultas e medicações…agradeço a Deus, por termos condições para isso, caso contrário, certamente já a teríamos perdido. Mas agradeço especialmente, a todos aquele que de algum modo, nos ajudaram. Vocês também foram essenciais. Que nossa menina saia dessa e ainda nos proporcione muita alegria! Amém!

Update: Perdemos a Chitara agorinha. Infelizmente nossa peluda não resistiu, morreu em casa, cercada de amor e cuidados. Nos deu muitas alegrias por dez anos. Agora temos que nos acostumar à ausência dela. Foi enterrada a pouco, em um Cemitério para animais domésticos :-(foto (1)Chitara Maria *05/04/2004         +25/07/2014


 

 

…esse espaço nasceu. Entre altos e baixos, venho deixando aqui, parte da minha rotina longe/perto da família. Meu constante ir e vir. Hora lá, hora cá. Cotidiano permeado por ganhos e perdas. Viagens, aprendizados, diferenças culturais, linguísticas. Nascimento, morte. Exatamente como a vida de todo mundo. E é aqui, nesse espaço, que desnudo a alma, ganho cafuné, palavras de carinho e incentivo. É aqui que pesquiso aquela viagem que fizemos, naquele ano, acompanhados de quem…é aqui que verifico aquela receita, revisito aquela imagem, aquele momento.
1

2(Sequência das imagens na peça)

Para comemorar a data, nada melhor do que uma peça bem tradicional, um ovo de Avestruz com suporte que irá morar aí, na sua casa (desde que você deixe seu comentário nesse post, para concorrer).

Então vamos lá?

Beijo bem grande e sorte para os que participarem da brincadeira ;-)


 

 

2Desde abril, estamos em obra lá na Bahia…confesso que quando recebi essa foto do arquiteto, com a casinha toda quebrada, me deu um medinho…um receio de nada mais ser como antes, rsrsrsrsrs…e é claro que não será, será muito melhor.

 

1Se já gostávamos dela…

 

3…toda brejeira.

 

9Imagine quando ficar pronta, toda iluminada e livre dos cupins.

 

12Não vejo a hora do telhado e a varanda estar prontos, dando forma para a casinha.

 

8E quem sabe, até não nos mudemos para ela?!

 

13Um dos banheiros.

 

11Saudades desse quintal.

 

5E quando vamos para a calçada, a vista é essa.

7E tem rio…mar, fragmento de Mata Atlântica, Mata de Restinga, mangue…sol, muito sol.

6;-)

4Que Deus nos abençoe, que a obra fique do jeito que temos sonhado. Pois nela, temos posto nossas economias e trabalho. É bom ver nosso sonho virando realidade…em quarenta dias, estaremos em casa, conferindo se tudo deu certo e quem sabe, comecemos uma nova empreitada.

Beijinhos e boa semana!


 

 

13A empresa têm um Rancho às margens do Lago Nzilo, formado por uma usina hidrelétrica no Rio Lualaba (para uso dos funcionários expatriados). Nesses anos todos, estivemos lá três vezes. Essa foi a primeira vez que fomos para dormir. Pois a empresa está reformando o local e equipou os quartos com camas, mosquiteiros, roupa de cama, móveis, banho quente, tornando-o muito confortável. Provavelmente, passaremos a usar mais.

 

11Observamos as alterações da tonalidade da água, conforme o Sol se punha.

 

9Aproveitamos para brincar com o equipamento fotográfico. Os amigos posaram, a luz e o cenário ajudaram.

 

8Ficamos felizes com o resultado.

14Nascer e pôr do Sol…benção de Deus. O céu da África, está entre os mais bonitos que já tivemos oportunidade de contemplar.

 

10Marido correndo para não perder nada.

 

1Quando a noite chegou, sentamos ao redor da fogueira para nos aquecer e conversar. Comendo feijão e  docinhos (brigadeiros, beijinhos e pé de moleque).

 

7Light painting.

6;-)

3Levantamos cedo no outro dia, para aproveitar a luz.

 

5O trabalho começa cedo.

 

4O vento quase que leva o tripé…rsrsrsrs.

12Aproveitei para fazer fotos do marido lindo fazendo uma das coisas que ele mais gosta, ‘vadiar’ jogando Capoeira.

 

2E depois, fizemos nossa estréia com o Jet Ski…gostamos!

Bom início de semana, na sexta a filhota volta para passar uns dias no Brasil. Faltam menos de 50 dias para nós também irmos para o Brasil, serão quase sete meses longe de casa. Vou dizer que não tem sido fácil. Perdi meu pai nesse período, mas a vida segue. A jornada que me espera não é das mais fáceis, mas se Deus quiser, sairemos vitoriosos.

Beijinhos ;-)


 

Decidimos deixar Amsterdam para o final da viagem, para poder visitar o Park Keukenhof em plena floração. Chegamos no domingo, no dia do Rei, que por sorte não é comemorado no domingo, foi comemorado no sábado. A cidade para, e certamente teríamos problemas para chegar ao Hotel.

11Pegamos várias dicas no blog do Daniduc…e quase conseguimos fazer o “Top 5″ que ele montou. Van Gogh Museum, Canal Tour, Vondelpark (onde foi feita a foto acima), Red Light District e ficou de fora, a Casa da Anne Frank. Compramos os ingressos do museu com antecedência, com exceção da Casa da Anne (a fila quilométrica nos fez desanimar da visita…motivo para voltar). Pegamos um city tour e já de cara, quase presenciamos um acidente. Um ciclista com fone no ouvido, quase foi atropelado por uma ambulância…na hora, desistimos de andar de bicicleta pela cidade, por causa dos próprios ciclistas, que andam feito doidos por todos os lugares, calçadas, faixas de pedestres, pista…uma loucura. Amamos a cidade e suas casinhas estreitas e tortas. Seus muitos canais.

foto (4)O Museu Van Gogh é muito, muito bonito.

1Mas o motivo pelo qual decidimos viajar na primavera européia, foi o Keukenhof…o parque abre seus portões anualmente durante a floração das famosas tulipas. Um sonho que venho acalentando há tempos.  Sempre de olho no site para não perder a data.

2Sonho sonhado e realizado.

 

8É muito, muito lindo!

 

9Uma maravilha.

 

10E o odor?!

14O cuidado com o parque.

16Os muitos caminhos.

 

17Cenário encantador!

 

18Muitas cores e flores.

 

19Essa viagem, especialmente esse passeio…me deixou mais leve, depois de tantas perdas. Saber que Deus sabe de todas as coisas e nada é por acaso. E que sempre nascerá um dia  e devemos estar atentos para não perder nada.

20<3

 

23Ficamos maravilhados.

 

24E fizemos muitas fotos.

 

26;-) difícil é escolher a flor mais bonita.

 

28Serei eu???

 

3Andando um pouco mais, enxergamos as plantações.

 

15E fomos de barco até elas.

4Maravilhoso.

6Os narcisos já haviam florescido.

 

5Encantamento define esse momento. Agradeço a Deus pela oportunidade.

 

13No dia seguinte, foi a vez de Zaanse Schans. Moinhos, queijos e tamancos dão o tom.

 

21O dia estava emburrado, mas ainda assim renderam boas fotos.

 

12Parece cenário.

22Vaquinhas, peixes…gatinho ronronando.

27Paisagem encantadora.

 

29Compramos queijos, mas não trouxemos nenhum tamanco.

25E por falar neles, assistimos a uma demonstração de como são produzidos.

 

30Muito bacana.

 

yumiA comilança também foi grande, experimentamos muitas coisas. De restaurante mais bacanoso aos mais simples. Só evitamos comida de rua, que não é o nosso forte. Não tivemos nenhum problema, tudo foi perfeito, na melhor companhia do mundo, a do meu menino. Agora, é esperar a próxima.

Beijo grande, bom final de semana…o nosso, será no Lake Nzilo.

© 2014 Epa e Taia pelo mundo Suffusion theme by Sayontan Sinha